so little to say… and so much time.

WALL-E/Bolt

Posted in Oscar by partyguest on Fevereiro 18, 2009

WALL-E

Talvez estejamos presenciando uma revolução técnica e estilística no cinema, não sei se vocês estão percebendo. Se não estão, assistam WALL-E e vejam com seus próprios olhos.

O filme, escrito e dirigido por Andrew Stanton (responsável por “Procurando Nemo”, “Toy Story”, “Monstros S.A”. e “Vida de Inseto”), é um dos mais recentes trabalhos da talentosa Pixar, umas das maiores produtoras de animação de Hollywood.
Temos na tela um robozinho solitário chamado WALL-E, cuja rotina se resume a recolher e compactar lixo numa Terra futurística e pós-apocalíptica. O robozinho preenche seus dias fazendo seu trabalho e recolhendo souvenires deixados pelos humanos nessa terra abandonada. Até que um dia eis que surge EVE, um robô muito mais moderno que vem à terra com uma missão específica, uma diretriz, que será revelada aos poucos no decorrer do filme. Então temos o que pra mim é uma das mais bonitas histórias de amor já vistas no cinema.
WALL-E é quase um filme mudo, mescla algumas poucas palavras humanas com os sons digitais dos robôs em questão (sons feitos pela mesma equipe de sonorização da saga “Star Wars”). É impossível percorrer as críticas já escritas sobre esse filme e não achar uma menção ao cinema de Charles Chaplin. E essa menção não é à toa. WALL-E é Chaplin, do começo ao fim. Não precisa de palavras pra construir diálogos que podemos ler no olhar do pequeno robô enferrujado. E tem a mesma delicadeza presente na obra do mestre do cinema mudo. O filmes desliza, quase como uma dança muito bem coreografada.
A Pixar e a Walt Disney são as responsáveis pela mais bela homenagem já feita ao cinema de Chaplin. E são ainda responsáveis por uma belíssima história de amor, a mais bonita em muitos anos, pelo melhor longa de animação dos últimos anos, pois o filme é tecnicamente perfeito e estilisticamente inovador, e pela espetacular cena do balé espacial de WALL-E e EVE, que já está entre as melhores cenas do cinema contemporâneo.

O filme recebeu 6 indicações ao Oscar 2009, fato inédito para um longa de animação, o que deixa mais claro o papel de WALL-E no cinema atual. Dentre todas as categorias às quais o filme concorre (Trilha Sonora Original, Canção Original, Edição de Som, Mixagem de Som, Animação e Roteiro Original) a mais segura de todas é a de Melhor Animação, prêmio garantido para o filme. WALL-E ainda disputa com fortes chances os prêmios de Roteiro Original e Canção Original. Já os outros prêmios têm nomes mais fortes na disputa, o que dificulta a vitória do filme da Pixar nessas categorias. Mas não fiquem surpresos se WALL-E levar todos os prêmios que disputa, pois estamos falando de uma obra prima do cinema.

Nota: 10

Média do Metacritic

Tomatometer

Bolt

Ao contrário de WALL-E, Bolt não consegue ser tão inovador no estilo. É apenas mais um história de amizade entre uma criança e um cachorro. Mas nem por isso é um filme ruim. Vemos em tela o mesmo apuro técnico dado pela Pixar/Disney aos projetos mais recentes, mas esse é um filme menos ambicioso que os seus colegas de estúdio.

Bolt conta a história do cachorro que dá título ao filme e que vive no mundo da fantasia do cinema. Ele é um daqueles animais atores. Mas Bolt não é um simples ator, na verdade para ele nada daquilo é atuação, ele acredita que está salvando sua “dona” das garras de um vilão maléfico. Assim, quando Bolt se perde da produção ele tem que aprender a viver no mundo real, sem seus “poderes” e tentar salvar sua companheira de cena com a ajuda de uma gata de rua e de um hamster obeso.

A Disney fez mais um filme bonito, mas que não passa disso. É um filme legal de se ver, mas que não vai necessariamente causar o impacto de muitas das animações que vêm sendo feitas ultimamente.

O filme foi indicado ao prêmio de Melhor Animação no Oscar desse ano, mas não tem chances perto de WALL-E.

Nota: 7,5

Média do Metacritic

Tomatometer

Anúncios